(31) 3235-8100 / (31) 3201-9681

contato@amarilfranklin.com.br

noticiaNOTÍCIAS

Quarta, 11 Outubro 2017 12:28

Taxa de juros nas operações de crédito tem 10ª queda seguida em setembro

Avalie este item
(0 votos)

Taxa de juros nas operações de crédito tem 10ª queda seguida em setembro

Taxa de juros média para pessoa física é a menor desde novembro de 2015; no cartão de crédito, é a menor taxa desde junho de 2015.

Por G1

11/10/2017 08h01 Atualizado há 21 minutos

As taxas de juros das operações de crédito voltaram a cair em setembro, apresentando a 10ª redução consecutiva. Segundo a Associação Nacional dos Executivos de Finanças Administração e Contabilidade (Anefac), o resultado pode ser atribuído à redução da taxa básica de juros (Selic) pelo Banco Central, que caiu para 8,25% ao ano em setembro, e expectativa de novas reduções ante a queda da inflação.

Cinco das seis linhas de crédito pesquisadas reduziram as taxas de juros no mês (juros do comércio, cartão de crédito, CDC-bancos-financiamento de veículos, empréstimo pessoal-bancos e empréstimo pessoal financeiras). Somente o cheque especial elevou suas taxas de juros no mês - veja mais detalhes abaixo.

Pessoa física

A taxa de juros média para pessoa física apresentou uma redução de 0,08 ponto percentual ao mês e de 2,12 pontos percentuais no ano, passando de 7,54% em agosto para 7,46% em setembro (queda de 1,06%), ou 139,24% ao ano em agosto para 137,12% ao ano em setembro (queda de 1,52%). A taxa de juros de setembro para pessoa física é a menor desde novembro de 2015 (7,43% ao mês – 136,32% ao ano).

Cartão de crédito

Nas operações com cartão de crédito, a taxa caiu 3,52%, passando de 13,36% ao mês (350,32% ao ano) em agosto para 12,89% ao mês (328,42% ao ano) em setembro. É a menor taxa desde junho de 2015 (12,54% ao mês – 312,75% ao ano).

Juros do comércio

Os juros do comércio tiveram redução de 0,36%, passando de 5,63% ao mês (92,95% ao ano) em agosto para 5,61% ao mês (92,51% ao ano) em setembro. É a menor taxa é a menor desde janeiro de 2016 (5,60% ao mês e 92,29% ao ano).

Crédito direto ao consumidor – bancos e financiamento de automóveis

Houve uma redução de 1,86%, passando a taxa de 2,11% ao mês (28,48% ao ano) em agosto para 2,09% ao mês (28,17% ao ano) em setembro. É a menor taxa desde maio de 2015 (2,08% ao mês e 28,02% ao ano).

Empréstimo pessoal - bancos

Houve redução de 1,55%, passando a taxa de juros de 4,30% ao mês (65,73% ao ano) em agosto para 4,22% ao mês (64,22% ao ano) em setembro. É a menor taxa para o mês desde setembro de 2015 (4,20% ao mês e 63,84% ao ano).

Empréstimo pessoal - financeiras

Houve uma redução de 1,55%, passando a taxa de juros de 7,72% ao mês (144,09% ao ano) em agosto para 7,60% ao mês (140,85% ao ano) em setembro. É a menor taxa desde abril de 2015 (7,54% ao mês e 139,24% ao ano).

Cheque especial

Houve elevação de 1,57%, passando de 12,14% ao mês (295,48% ao ano) em agosto para 12,33% ao mês (303,60% ao ano) em setembro. É a maior taxa desde março de 2017 (12,38% ao mês e 305,76% ao ano).

Pessoa jurídica

Das três linhas de crédito pesquisadas, todas reduziram suas taxas de juros no mês.

A taxa de juros média geral apresentou redução de 0,05 ponto percentual no mês (0,96 ponto percentual no ano), passando de 4,41% ao mês (67,84% ao ano) em agosto para 4,36% ao mês (66,88% ao ano) em setembro - menor taxa de juros desde janeiro de 2016.

Perspectivas

De acordo com a Anefac, a partir de outubro de 2016, o Banco Central começou a flexibilizar a política monetária com a redução da taxa básica de juros (Selic). "Tendo em vista a melhora das expectativas quanto à redução da inflação bem como na melhora fiscal, deveremos ter novas reduções da taxa básica de juros, o que reduz o custo de captação dos bancos, possibilitando novas reduções das taxas de juros nas operações de crédito", informou.

Segundo a entidade, no entanto, com o cenário econômico atual que aumenta o risco de elevação dos índices de inadimplência por conta da recessão econômica e do desemprego elevado, aumenta o risco de novas elevações das taxas de juros aos consumidores. 

Lido 96 vezes